sábado, 2 de outubro de 2010

VISITAÇÃO


Esta noite você veio.
Chegou tarde,
como sempre,
muito tarde, mas chegou.

Escutei dizer meu nome.
Docemente,
ternamente,
como só você dizia.

Resta o cheiro de romãs.
De madeira
e folhas secas,
quando você vai embora.



4 comentários:

manuel marques disse...

O prazer visita-nos muitas vezes; mas a mágoa agarra-se cruelmente a nós ...

Beijo.

angela disse...

Esse coração vagabundo que fica feliz só com a presença do amado...que desfaz toda toda tristeza, todo rancor assim que escuta seus passos...
Já vivi tanto isso, que cansei...rs
Lindo.
beijos

Renata de Aragão Lopes disse...

Dalva,

de muito bom gosto
os versos e a imagem!

Saudade com aroma
de romãs, madeira e folhas secas...

Um abraço,
Doce de Lira

Clemilde disse...

OLá Dalva!

Muito bom vir aqui ler suas poesias.

Beijos