sábado, 25 de setembro de 2010

(DES)QUIXOTE















Mergulho no mundo sem rumo
sem remo
e sem medo

de ficar doente,
de cortar o dedo,
de perder o emprego.

Mas, um belo dia descubro
o engano,
o segredo:

era a hora errada,
era o mundo errado
e nem era pra tanto.


6 comentários:

angela disse...

Gosto dos seus poemas tão sequinhos, sem gordurinhas. Tudo na medida certa. Sem excessos dão o recado. Acertam o alvo.

manuel marques disse...

O erro é a noite dos espíritos e a armadilha da inocência ...

Beijo

Marcantonio disse...

E que segredo! Neste mundo (mesmo na suposição de outro) nada era, é ou será pra tanto.

Assino embaixo o que a Angela disse.

Abraço.

Aline V. disse...

Eu também concordo com a Ângela.
E acho que você podia compartilhar mais poemas conosco!

Renata de Aragão Lopes disse...

"era o mundo errado"

Sensação
que me ocorre
por vezes...

Lindos versos, Dalva!
Gosto muito
de como escreve!

Beijo,
Doce de Lira

Delafonte disse...

Gostei pra caramba. Muito beleza.