sábado, 10 de abril de 2010

A MENSAGEM















Me deu um arrepio no corpo,
não é frio,
não é medo,
nem eu sei muito bem o que eu sinto.

Que o ar dessa tarde que finda,
tão calminha
e tão linda,
de repente virou ameaça.

Pode ser que talvez eu me engane,
não é nada,
não é nada,
e seja coisa da minha cabeça.

Mas, sabendo das coisas da vida,
das mudanças,
dos azares,
pode ser a mensagem temida...

11 comentários:

manuel marques disse...

Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

(Fernando Pessoa)

Beijo querida amiga.

Marcantonio disse...

A ilustração é suavemente melancólica. Pássaros. Lembrança dos adivinhos gregos que interpretavam as mudanças de seu vôo como augúrios?
Quem nunca teve essa sensação de que um sentido se muda drasticamente em outro? É algo tão desestabilizador! Que você expresse essa apreensão de modo tão suave e bonito é que eu acho incrível. Um abraço.

angela disse...

Melhor nem pensar, sempre se teme algo.
Lindo poema.
beijos

Paco Invernoz disse...

Belisimas tus palabras.

Martín Bolívar disse...

Un lindo poema, sí señor, que hace pensar sobre el miedo y la melancolía.

Renata de Aragão Lopes disse...

Tomara que não seja! ; )

Bom domingo,
doce de lira

Jean disse...

Quelle belle photo !
Je ne comprends pas le portugais , mais j'aime la musique de votre poème .

Marcos Satoru Kawanami disse...

falou e não disse.

CeciLia disse...

Ah, Dal, como eu queria saber não dizer com a tua possibilidade! Como eu gosto desse poema (ou será que gosto mais da imagem?) que me revela como poucos, também? Obrigada, traduziu-me. Beijos

CeciLia disse...

Ah, Dal, como eu queria saber não dizer com a tua possibilidade! Como eu gosto desse poema (ou será que gosto mais da imagem?) que me revela como poucos, também? Obrigada, traduziu-me. Beijos

CeciLia disse...

Ah, Dal, como eu queria saber não dizer com a tua possibilidade! Como eu gosto desse poema (ou será que gosto mais da imagem?) que me revela como poucos, também? Obrigada, traduziu-me. Beijos