terça-feira, 22 de setembro de 2009

ROTINA


















Faz tanto tempo que a gente não conversa

às altas horas
sobre as nossas ninharias, bagatelas.

Que não se beija,
que não se abraça,
faz tanto tempo que a gente não namora!

Hoje é o trabalho,
é a condução...
faz tanto tempo que a gente já nem ama!

Um, calado, mudo.
Olhando um ponto bem além dessas paredes.

O outro então...
virou de lado e agora finge que dorme.

E talvez durma.
E talvez sonhe.
E talvez tenha, em sonhos, o que não tem na vida.

foto: Helene Schjerfbeck


6 comentários:

Concha disse...

Eu passo por aqui sempre.
E,finalmente foi postado um poema lindo,real,para todas as idades, e para todos os lugares.
Beijinhos

angela disse...

Demora, mas vale a pena esperar.
Quem já não ficou assim, com os sonhos desencontrados ou secados pela aridez do dia a dia.
beijos

CeciLia disse...

Ah, Dal...
Faz tanto tempo que isso é desfecho (im)possível a quem ama. Tua denúncia irmana a muitos de nós.
Beijo
CeciLia

Vieira Calado disse...

Ninharias e bagatelas,

fazem parte da vida,

não é?

Cumprimentos meus

CarolBorne disse...

Eu nem vou falar. Nem vou.

Cacau disse...

Ah! Se não fossem os sonhos...