quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

UM BAITA ENGANO

Um dia eu saí da tua vida,
de mãos vazias,
porque sem isso, eu morria.

Deixei para trás as algemas,
do hábito,
da conveniência e do medo.

Deixei a garrafa vazia,
o cigarro aceso,
e aquela impressão de naufrágio.

Não trouxe nada comigo,
só a absoluta certeza
de que fomos um baita engano.

2 comentários:

christiana disse...

Belo engano!

marie.l disse...

En ce 25 décembre Joyeux Noël là bas au chaud du Brésil... Bisous