quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

O ESTRANGEIRO



Era  tardezinha
num dia normal
um dia qualquer
atrás do balcão.

Um dia normal, um dia qualquer.

E você chegou
vestido de branco
falando espanhol
com uns olhos negros.

E querendo coisas, tantas, tantas coisas.

Eu mostrei o mapa
e falei dos preços
e dei sugestões  
profissionalismo acima de tudo.

Acima do mapa, e dos olhos negros.

Mas naquele santo
e exato minuto
chegou o amor 
vestido de branco e com olhos negros.

Falando espanhol, querendo tantas coisas.




foto: Svetlana Rumak

3 comentários:

Jean disse...

Avec l'aide du traducteur , j'ai essayé de comprendre votre poème .
J'aime beaucoup votre sensibilité , la musique des mots ,

Com a ajuda de um tradutor, eu tentei entender o seu poema.
Eu amo a sua sensibilidade, a música das palavras .

ONG ALERTA disse...

Um ano novo cheio de sonhos, beijo Lisette.

manuel marques Arroz disse...

Quem será!!!

Beijinho meu.