domingo, 15 de março de 2009

TRANSLATLÂNTICA






















Anoitece, à beira-mar;

no horizonte o sol

é vermelho, é laranja, é azul.


A brisa que vem do mar
é fresca

e recende a animais marinhos.


Ao longe, um barco pesqueiro
à sombra
de um grande navio.

Um translatlântico
apita chegando

ou talvez partindo, quem sabe?

Lá além, o farol aceso,
e uma saudade tão grande,

saudade
também translatlântica,

tão grande e tão sem esperança!



foto: Edu Portella

8 comentários:

Dona Sra. Urtigão disse...

saudade assim, que chega a doer...

Concha disse...

Com a saudade,tenho um relacionamento de dependência.
Já sinto saudades de hoje!
Do que eu vivi, do que eu perdi...

Beijos

missosso disse...

ah, dalva, que saudade transatlântica! belíssimo achado, tks

Mauro Castro disse...

a vida à beira-mar é um sonho.
Há braços!!

DE-PROPOSITO disse...

e uma saudade tão grande,
------------
Temos saudades das coisas que gostamos. As outras, são para esquecer.
Fica bem.
E a felicidade por aí.
Manuel

O Profeta disse...

Para que a terra não trema
Para que esta Ilha seja de boa guarida
Mil e muitas ave-marias
Para iluminar tanta alma perdida

Em meu peito bate a fé
Sou um caminhante de muda revolta
Olhos presos a este manto verde
Alma que se ergue e fica solta


Boa Páscoa


Mágico beijo

CeciLia disse...

Uma saudade transatlântica e sem esperança. Ah, Dalva, vir aqui, hoje, foi um presente. Me revelou e redimiu através das tuas palavras.

Beijo,

CeciLia disse...

Uma saudade transatlântica e sem esperança. Ah, Dalva, vir aqui, hoje, foi um presente. Me revelou e redimiu através das tuas palavras.

Beijo,