terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

METADES























Metade de mim já alcançou seu destino,
porcamente,
através de mil becos e atalhos,
do jeito que pôde.


Metade de mim está em paz,
satisfeita,
nenhum sonho, desejo ou enfado:

metade de mim está morta.

A outra metade...

A outra metade está viva,
acordada,
de noite, dentro do pesadelo,
gritando e pedindo socorro.


foto: "El sueño" - Tosar Granados

3 comentários:

Martín Bolívar disse...

Metades de nuestra alma que afloran en la poesía, en los escritos.

DE-PROPOSITO disse...

Complexo. No entanto, devemos fazer da outra metade, o todo.
Fica bem.
Felicidades.
Manuel

CeciLia disse...

Dal,

tenho medo da metade
em ti / em mim
que anda morta.

E mais:
tenho medo
de achar normal.

Beijos, querida, fica com Deus