segunda-feira, 22 de outubro de 2007

UMA SAUDADE







Uma saudade

das tardes calmas
do bairro pobre
da minha infância.

Do quase-tédio
do meu quintal,

da rua estreita
e do chão de terra.

Das ameixeiras,
dos mandrovás e das taturanas.

Dos vagalumes
e das minhocas e das cigarras.

Dos passarinhos,
das nuvens brancas e das estrelas.

Uma saudade
de ser criança
só um pouquinho,
só um pouquinho...


foto: "Fenêtre" - Jean

4 comentários:

Mauro Castro disse...

Pronto, agora os comentários estão democratizados. Sugiro, agora, que tu escolha a opção "abrir em pop up", ou coisa assim. Ai o visitante não sai da página principal para comentar.
Há braços!!

Joan Vicenç disse...

Hola Dalva, tens uns blogs preciosos, voldria tenir més temps per llegir. Una abraçada.
JV

Martín Bolívar disse...

saudade noa ten fin, felcidade, si. Hermosta tu poesía.

Mauro Castror disse...

Abrindo em Pop Up...esse blog tá mesmo bacana.
Há braços!!